20 ANOS DE PROFISSÃO

0

Nesse ano, 2017, faz 20 (vinte!) anos que trabalho profissionalmente na área que escolhi. Na verdade, trabalho desde os 14 anos (informalmente como babá, animadora de festas, confeiteira, enfim, muitas coisas já fiz) mas considero o ano de 1997 como o primeiro ano meu PROFISSIONAL, pois foi aos 18 anos que ganhei meu primeiro cachê como atriz. Lógico, foi um marco para mim: ganhar dinheiro com essa profissão não é e nunca foi nada fácil.

Me considero uma felizarda. Feliz por trabalhar com o que EU escolhi. Feliz por sempre trabalhar alegre. Feliz por conseguir sobreviver (e bem) sem ter que ser “Global”. Sim, pois os amigos atores hão de confirmar o constrangimento que é preencher cadastros por aí e escrever “Profissão: Ator” e ter de se deparar com olhos incrédulos de “Nunca te vi na novela?” Eu — para evitar esses olhares desconfiados, perguntas como “Por que você não trabalha na televisão?” ou “Atriz de onde?”— passei a escrever “Jornalista” (após, obviamente, obter o meu MTB da profissão) e essas perguntas sumiram! Enfim, nem vou nem entrar nessa discussão, pois esse assunto rende… O que quero frisar aqui é que fazer 20 anos de atriz-apresentadora- repórter-jornalista-mestre-de-cerimonias sem ser super-famosa-capa-capa-de-revista-convidada-do-castelo-de-Caras e sem ter que levar essa profissão como a “segunda”, como o “Hobby”, realmente não é nada simples. Infelizmente.

Foto de um dos meus primeiros Books de atriz, quando eu assinava como Silvinha Faro

Foto de um dos meus primeiros Books de atriz, quando eu assinava como Silvinha Faro

Se já pensei em desistir? Todos os dias! Por que não desisto? Porque AMO o que eu faço. Se eu pudesse racionalmente escolher uma profissão, juro que escolheria uma mais normal. Não por acreditar que outra profissão eu tivesse menos dificuldades, pois todas as profissões têm seus perrengues, seus desafios, mas optar por uma profissão na área artística é sim um desafio a mais. Seja pela falta de reconhecimento, seja pela dificuldade que muitos enfrentam de a família “aceitar”, seja pelo difícil que é encontrar trabalho na área, entre mil outros motivos. Também absolutamente não acho que ser artista é algo melhor ou pior que qualquer outro oficio. Sempre vi minha profissão como uma profissão. Ponto. A única diferença é que ser atriz/apresentadora faz com que muitas pessoas saibam da minha profissão. Nunca me senti melhor do que ninguém por isso. Mas como é uma área que mexe muito com o ego, eu conheço (que triste) vários colegas que se acham melhores por serem artistas…. Enfim, outro tema que não quero me aprofundar…

Nesses meus 20 anos profissionais trabalhei MUITO. Estudei MUITO também. Muito mesmo. Lembro de ter 16 anos e já ter lido todos os livros do Stanislavsky, de deixar de sair para ler peças e decorar textos das aulas de teatro.  Sim, os atores estudam! (para espanto de vários que acham que ser ator não requer dedicação e apenas “sorte” ou “um rosto bonito”.)

Para cada trabalho feito, para cada job que me aceitaram, me negaram pelo menos 10 antes! Para cada um dos mais de 250 comerciais que fiz, só pra dar um exemplo, contabiliza aí uns 10 “nãos” que recebi! Faz as contas! Só na publicidade então foram uns 2500 nãos! Haja amor pra aguentar tanto fora!!!! Haja coragem para levantar tantas vezes depois de tantos tombos, rasteiras e puxadas de tapete. Sim, meus queridos, lembra que falei lá em cima, que não é nada fácil sobreviver nessa área? Mas também não vou focar nas agruras.

Relembrar é viver, não? Quero então semanalmente relembrar aqui alguns desses momentos de 20 anos de carreira. Há historias curiosas, engraçadas, emocionantes, diferentes… há de tudo! E quero contar para vocês um pouco de como é essa área.

Até semana que vem!

Bjos

Silvia Faro

Compartilhe.